quinta-feira, 15 de maio de 2014

Quer aprender a tocar violão ou guitarra? Hoje em dia está bem fácil!


Ainda em São José
dos Campos - SP
Tempos bons aqueles de minha juventude. Depois de minha infância ligada à música, mas no Acordeon, cheguei à adolescência comecei aprender a tocar violão e com pouco tempo fiquei literalmente fascinado também pela guitarra.

O aprendizado do violão foi trabalhoso. Nem sabia afinar o instrumento, creia. Pedia ajuda ao “Zé da Senhora”, conhecido jogador de futebol do Salgado da Gama (um time de Messejana) e ele afinava para mim. Voltava para casa e não largava mais o novo brinquedo. Aprendi também a tocar as primeiras músicas com dois irmãos, dos quais nem lembro mais o nome, que moravam perto de nossa casa. A Marcha dos Marinheiros (que depois tocava até com o violão nas costas), uma valsas de Dilermando Reis e o aprendizado avançava muito rápido. Futuramente tive aulas com um professor do Conservatório de Música Alberto Nepomuceno, o qual me ensinou técnicas legais, treinamento com escalas, postura, dedilhados e outros macetes interessantes. Não tínhamos gravadores, nem máquinas fotográficas. Aliás, fotografias eram difíceis na época. Quando vemos hoje centenas de pessoas gravando, fotografando ou filmando eventos tenho certeza de que elas não têm a exata dimensão da facilidade que está em suas mãos, pela tecnologia.

EU VIVIA E RESPIRAVA MÚSICA

Na realidade a única maneira de aprender mesmo é “vestir a camisa”, ou seja, não liberar o instrumento musical. Eu deixava o violão na sala, em cima de algum local de fácil acesso. Depois de qualquer atividade passava por ali, pegava o violão e tocava um pouquinho, o que desse. Um exercício, uma nova sequência de acordes, qualquer coisa. E tinha que fazer os calos nos dedos até se acostumar!

GUITARRA E VIOLÃO

Estúdio da Rádio
Assunção, Fortaleza
Quando passei para a guitarra, que também possui seis cordas e tem a mesma afinação, a vontade de desenvolver as técnicas aumentava dia a dia. Treinava praticamente o tempo inteiro que tinha livre. Fazendo uma comparação com o que existe hoje em dia a coisa não era brincadeira. Tínhamos que “ter ouvido”, ou seja, escutar ma música e saber os acordes que faziam o acompanhamento. Não existiam revistinhas de acordes, com letras e cifras, muito menos nem se sonhava com internet. Ou você tinha jeito mesmo e “captava” a música, gravava a melodia e acertava a harmonia (o acompanhamento) ou nada feito. Teria que mudar de brinquedo.

Quer saber como aprender sozinho e de forma rápida? Aprenda primeiro a afinar o instrumento, saber quais são as cordas e as técnicas para isso. Hoje temos afinador eletrônico, mas se você tiver “ouvido”, não será preciso. Decore uma sequência de acordes, aprenda os acordes de tons maiores, menores e os relativos. Um manual de violão ou guitarra que é facilmente encontrado hoje dará uma força especial a seu aprendizado.

AS TÉCNICAS

E treine muito! Aprenda a acompanhar uma música, mude de tonalidade. Saiba executar
Entrevista para
o Jornal O Povo
 todos os acordes e suas variações (são muitos). Saiba que mesmo após tocar por muito tempo a cada minuto, segundo, você poderá aprender mais. Uma coisa muito importante é ter humildade e nunca pensar que já é o tal. Eu, quando estava no auge de minha forma, como guitarrista-solo do Conjunto Big Brasa, de Fortaleza, era reconhecido por muitos como um dos melhores do norte e nordeste... Já pensou? Se não tivesse a cabeça no lugar e muita simplicidade teria acreditado. Não que o pessoal falasse isso para me “dar corda”, como se diz. Mas eu é que tinha plena consciência de que sabia muito pouco!

O FASCÍNIO DAS GUITARRAS

Antes de iniciar a minha carreira de musical como líder e solista do Conjunto Big Brasa, recebi uma ajuda muito boa da parte do Cesar Barreto, meu amigo, que tocava e cantava no Conjunto Os Rataplans. Antes de nossa estreia (e este fato está em meu livro) o Cesar me ensinou a introdução da música O Tijolinho. Achava difícil demais e pensava que nunca iria fazer como ele, com tal desenvoltura, mas depois acostumei.

AS SERENATAS EM MESSEJANA

Foram muitas as serenatas feitas com amigos, na casa de colegas, em Messejana. Usávamos violão, flauta doce e às vezes também uma escaleta. Na época havia paz e muita tranquilidade nas madrugadas. Sem medo de assaltos nossa turma visitava as colegas e fazíamos as belas serenatas.

OS ÍDOLOS

Mais tarde, já como profissional, sempre procurei me espelhar naqueles guitarristas que realmente tocavam muito bem. O Jimi Hendrix e o Santana eram os meus ídolos. Procurei imitá-los o máximo que pude no que diz respeito às técnicas, sons etc. Mas depois, quando ouvia outros músicos, como o Eric Clapton, já tinha um pouco de bagagem para ir incorporando as técnicas e criar o meu próprio estilo.

QUER SABER DE UMA COISA?

Não perca tempo. Se você gosta de tocar, admira música e quer aprender, utilize todas as ferramentas disponíveis na atualidade: revistas com acordes, programas na internet, músicas com cifras (acordes). Os instrumentos estão modernos, bem construídos, os amplificadores, pedaleiras, todas as facilidades que você pode ter. Use tudo que tem direito e seja feliz!

Um último recado: vá com calma e nunca pense que você aprendeu tudo, porque em música os limites são inatingíveis. Tenha sempre em mente isso e boa sorte! 

Veja também nas redes sociais:



Nenhum comentário:

Postar um comentário