sábado, 13 de setembro de 2014

Minha percepção sobre outros planos de vida

“Na casa de meu Pai existem muitas moradas”, assim disse Jesus Cristo, de forma sábia. Mas muitos ainda não entenderam sua mensagem. Todos nós aqui no planeta Terra atravessamos um ciclo de vida. Desde o nascimento, a fase adolescente, depois ficamos adultos e entramos em outra fase, a chamada envelhescência até que um dia falecemos. 

Este é o ciclo natural da vida. Não há outro jeito. Ninguém gosta muito da ideia, principalmente nós, ocidentais. Alguns povos possuem uma cultura diferente da nossa a respeito da morte e até a recebem sem muitas lamentações e sim, como uma verdadeira passagem para outro plano. Sobre este aspecto nenhuma dúvida, apenas constatações.

Gostaria de fazer algumas reflexões sobre o “penso” que entendi, até o momento, sobre a nossa vida espiritual. Neste campo há margem para muitos entendimentos diferentes, proporcionados pelas diversas culturas, etnias e religiões. O meu pai ao falar do assunto comentava às vezes que até mesmo os conceitos sobre o Bem e sobre o Mal têm interpretações diferentes. Como? Somente por exemplo: o que faz uma pessoa destruir centenas de seus semelhantes usando como artifício seu próprio corpo, cercado de bombas, na “certeza” de que estaria fazendo algo “divino”? Para o homem-bomba o que faz é certo. Entretanto para nós, de cultura totalmente diversa é extremamente errado. E inconcebível. Mas o fato é que estas diferenças enormes entre os seres humanos existem. Enquanto alguns falam de Jesus e de Deus, outros simplesmente não acreditam nada disso e têm outras divindades ou crenças. 

Mas bem. E depois de tudo, de nossa passagem terra, para onde iremos? Partindo do princípio de que nossos espíritos já habitaram outros mundos, o que até admito pelas diferenças entre nós, é fácil crer na existência de outras instâncias depois de nossa morte física, de nossa passagem efêmera aqui na terra.

Muitos acreditam que o homem é produto do meio. Eu acho que não é só isso. Outras influências agem no processo. Ou seja, como se explica que irmãos, nascidos no mesmo local, recebendo a mesma educação, tendo as mesmas pessoas em sua convivência, tenham grandes diferenças entre si em inúmeros casos? Como em um mesmo grupo familiar podem existir pessoas com pouca capacidade cognitiva e também pessoas com “inteligências raras”, como a dos gênios? Difícil entender, não é mesmo?

E como se pode explicar que se hoje em dia entregarmos calculadoras, livros, computadores para as pessoas, ninguém será capaz, mesmo com todos os instrumentos disponíveis, de calcular a distância entre a terra e a lua ou cálculos matemáticos de extrema relevância que foram encontrados nas pirâmides do Egito e em incontáveis obras da antiguidade? Como os egípcios conseguiam uma química suficiente para embalsamar os corpos de seus mortos para que durassem até hoje?

Concordo plenamente com a ideia de que a terra já foi visitada muitas vezes por alienígenas. Seres com inteligência muito superior à nossa e que certamente devem ter feito muitas experiências com os humanos. Será que neste Universo tão grande, com milhões de planetas distantes, mas alguns deles com características semelhantes com a terra, não poderiam estar ocupados com vida inteligente como a nossa, ou com inteligências e vidas de outro nível?

Sinceramente até que eu adquira mais conhecimentos a respeito do assunto, continuarei com o meu conceito atual, baseado no que disse Jesus Cristo e em muitos escritos que li a respeito do assunto.

Depois de nossa vida terrena iremos para outro plano, mais ou menos evoluído, dependendo muito do que fizemos nesta passagem. Teríamos (só para efeito de raciocínio) uma planilha de cálculos para cada um de nós, controlada por uma inteligência suprema que nós chamamos de Deus. Assim, conforme nossos atos bons e ruins, nossa cotação para o futuro iria se armazenando nessas contas... E assim continuaríamos nossos destinos em outras moradas de Deus (melhores ou piores que a nossa aqui na terra).  

Criado em uma religião católica, na qual encontro muitas dúvidas atualmente, de modo principal por alguns dogmas criados pelo homem, decidi ler mais sobre Deus. E o resultado é impressionante! Sabemos que Deus é tudo, mas não tem matéria. Está presente em todo o Universo, mas não o vemos. Não interfere em nossos procedimentos aqui na terra porque temos o livre arbítrio... E dessa forma também não impede e nem interfere em catástrofes enormes que ocorrem neste planeta, nos mais variados locais, por motivo que ainda não entendemos. Foge ao nosso alcance essa percepção.

Existem pessoas questionando o assunto da seguinte forma: “Será que Deus criou o homem ou o homem criou Deus?” pela necessidade de acreditar em uma vida após a morte? Eu não questionaria dessa forma, porque acho que independente dos dogmas de algumas religiões, de equívocos, de comentários sobre divergências encontradas em escrituras sagradas como a Bíblia, todos os erros foram cometidos por nós mesmos, os humanos.  A Bíblia foi montada com escritos pelos homens, os dogmas e as religiões idem. E como somos extremamente falhos há que se admitir e tolerar esses eventuais problemas para a nossa concepção de um SER SUPREMO, de uma ENERGIA SUPREMA, acima de tudo e de todos e que dá um ordenamento a todo o Universo.


Veja também nas redes sociais:

Nenhum comentário:

Postar um comentário