sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

O meu ponto de vista sobre o desarmamento no país

Sou totalmente contra o desarmamento dos cidadãos no Brasil! 


Manifesto não somente minha opinião, mas apresento alguns fatos, situações e argumentação para que os leitores possam fazer sua análise e avaliar o problema. Isto seria tema para um amplo debate, mas precisamos de ações efetivas que possam trazer resultados bons para a sociedade. E isso não está ocorrendo. Ou estou enganado?

Tendo alguns primos militares e mesmo por gostar muito de armamentos, aprendi a manusear corretamente armas e atirar cedo, sempre com muita cautela nas ações. Nunca me envolvi em qualquer tipo de acidente com armas de fogo. E as utilizei muito para caçar e práticas de tiro ao alvo e tiro de defesa. E meus filhos conviveram comigo e com minhas armas, tudo nos seus devidos lugares, bem protegidas. E mais do que isso: com a educação sobre o perigo do uso de uma arma. Nunca se colocaram em perigo ou estiveram pelo menos perto de algum incidente.

Desde a época de minha juventude nós podíamos comprar armas quase que livremente e pronto!  (bastava uma autorização da Secretaria de Segurança Pública e o registro da arma). Daí para frente quem detinha a arma em seu nome ficava também com a responsabilidade pelo seu uso. Ponto novamente!

Caso a pessoa de descuidasse ou saísse por aí disparando sua arma para cima ou em logradouros públicos existia a lei. Lei existe para isso, ou não? 

E bem mais adulto comecei a ver a violência aumentar sem que nunca fosse comprovado que o uso de armas por cidadãos de bem fosse o diferencial para o crime. Pelo contrário. E assim a violência foi aumentando gradativamente, sem parar, até a situação caótica que enfrentamos hoje em dia.    

A legislação que existe, mas não funciona direito

Mas, como no Brasil as leis existem, mas em sua maioria não funcionam direito, os governos brasileiros, a partir do governo do Presidente Lula, tentaram solucionar um problema que não conseguiam resolver (como o do tráfico de drogas em favelas no Rio de Janeiro, São Paulo e em todo lugar, hoje em dia) e implantou-se o tal do Estatuto do Desarmamento. Antes disso o Presidente Fernando Henrique Cardoso ainda tentou fazer um Plano Geral de Segurança, envolvendo todos os Estados, Ministros e todo mundo ligado ao setor. Quando soube da enorme reunião que ele iria montar disse: não vai resolver coisa alguma. Tudo é cascata e não vai passar dos papéis... E acertei em cheio. Quando não se quer resolver um problema convocar uma reunião é uma maneira infalível... Todo mundo discute, propostas mil são lançadas e ao final todo mundo esquece...

O desarmamento

Pensavam os tecnocratas que desarmando os cidadãos comuns, pacatos, que possuíam armas apenas para sua defesa do lar e de seu patrimônio, a violência iria diminuir muito. Ledo engano. As estatísticas de homicídios, assaltos, roubos a mão armada, sequestros, roubo de cargas e todo tipo de delitos envolvendo meliantes armados aumentaram de forma absurda!

Ora... É fácil vislumbrar ou formular tal conceito, tanto que os marginais racionam da seguinte forma: se está todo mundo desarmado e existe pouco policiamento então a coisa está fácil demais! Não tem dado outra. No interior dos estados as explosões de caixas fortes nos bancos. Após ladrões renderem os pequenos efetivos policiais e os prenderem na própria delegacia partem para os roubos tranquilamente. Com a população toda desarmada e sem policiamento é moleza! Por isso mesmo é que quase todos os dias assistimos cenas idênticas: caixas explodidos, tiroteios, fugas e ninguém preso. Os assaltos continuam sendo quase sempre bem sucedidos. E a prática se alastra, com o sucesso nas ações delituosas. 

O Estatuto do Menor e do Adolescente

Com a implantação do Estatuto de Menor e do Adolescente a questão piorou muito. Os marginais começaram a contratar (a usar) os menores para ajudá-los nos assaltos, para assumir quem estava armado... Enfim, para dar a eles cobertura necessária para escapar das leis. Uma vez que o Estatuto do Menor lhes dá uma proteção inconcebível, no meu entendimento. Um menor depois de praticar um delito passa pouco tempo (quando é detido) em uma “casa de recuperação”, que não recupera nada, e depois aos 18 anos assume sua liberdade com a ficha totalmente limpa. Pode isso?

Com o crescente aumento das drogas no país inteiro o problema agravou-se mais ainda... Os assaltos hoje em dia acontecem durante o dia ou à noite, e o pior: estão matando facilmente mesmo quando as pessoas não reagem. Matam pelo prazer de matar e pela certeza da impunidade.

O que é reagir a um assalto?

Reagir a uma agressão é um ato reflexo, muitas vezes. É um instinto natural. Se você trabalha, luta por um bem material que pode lhe trazer o sustento (um táxi, uma moto) e um assaltante vem lhe tomar é natural o impulso de reagir.

A polícia, no atual estado de coisas, faz muito bem em alertar para não reagirmos. Por quê? Simples: porque não teríamos a menor condição para tal, pelo fator surpresa do assalto, por estarmos em desvantagem (desarmados) e por aí vai...

Hoje em dia qualquer local é perigoso

Assim os assaltantes entram em lojas, postos de gasolina, ônibus, casas lotéricas, tomam motocicletas, entram e invadem residências, condomínios inteiros, bancos, assaltam pedestres, fazem tudo o que bem entendem, porque têm a certeza de que ninguém vai (e nem pode) reagir. Não se pode sair com um simples celular! Nem fazer uma caminhada perto de sua casa... O perigo mora ao lado, na frente, atrás, em todos os locais. Nós vivemos literalmente trancafiados em casa, com grades, cercas elétricas, alarmes, sensores e câmeras, mas presos... E os bandidos aí assaltando e o pior: matando a torto e a direito. Temos que por um fim a esta situação! Uma solução está muito fácil, em meu entendimento. Vejam como: 

A liberdade de armamento da população

As autoridades brasileiras deveriam rever o Estatuto do Desarmamento, com urgência. Se isto dá voto ou não é outro problema. Se todos que quisessem se armar, para sua defesa, pudessem fazer isso acredito que a situação pouco a pouco mudaria. Pelo menos depois de um período de adaptação, no qual muitos iriam perder sua vida em assaltos e assim outros iriam desistir de praticar tais atos, pelo simples medo das reações.

Minha proposta faz sentido porque quem compra uma arma legalizada teria logicamente os seus dados, seus antecedentes, tudo isso verificado pelos órgãos competentes na esfera policial. E se cometesse um crime com uma arma iria pagar de acordo com a legislação do país. Estou certo ou não?

Porque para assaltar de todas as formas os bandidos não usam armas registradas! São armas contrabandeadas, alugadas, sem registro nem procedência. Tudo fora da lei.

Estive no Paraguai em várias cidades e verifiquei centenas de pessoas comprando em lojas, circulando à vontade, inúmeros camelôs por toda a parte. Mas nenhum assalto!

Ao mesmo tempo constatei a presença de inúmeros seguranças de lojas armados com pistolas de vários calibres espalhados pela cidade inteira.

Curioso, perguntei a um deles sobre o problema de furtos, roubos, assaltos... E ele me respondeu: você está vendo todos esses carros aí circulando? Todo mundo aqui anda armado! E nas lojas também. Depois disso foi fácil concluir. Os meliantes não tem coragem de entrar em uma loja para roubar um celular sabendo que os proprietários possuem armas! Os caminhoneiros também não seriam alvo fácil de bandidos, se todos pudessem usar armas para sua defesa. Porque em um engarrafamento um bando de malfeitores não iria roubar uma carga sabendo que muitos dos caminhoneiros estariam armados.

Hoje os bandidos deitam e rolam – até quando?

Diferentemente do que existe e acontece hoje, quando o marginal entra em sua casa sabendo que em tese você está desarmado. Na rua a mesma coisa. Em um sítio ou casa de praia idem. Pouco e quase ineficaz policiamento em razão do volume dos crimes de toda ordem e um desarmamento geral da população. E impunidade para os menores, que os auxiliam nas suas tarefas nos ilícitos praticados. Tudo o que os bandidos querem.

Leis demais, resultados de menos...

Portanto, se hoje temos a Lei do Desarmamento e a Lei Seca, a criminalidade aumenta dia a dia. Temos mais sensores no trânsito que visam a arrecadação de multas, uma verdadeira indústria, pelo mesmo motivo. Não há leis efetivas, ou melhor, punições efetivas para quem comete crimes no trânsito. E as estatísticas continuam aumentando.

Até quando?


 Veja também nas redes sociais:

Nenhum comentário:

Postar um comentário