terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Fui viciado em uma droga pesada!


Passei catorze anos viciado em uma droga pesada, verdadeiramente. Não quis ouvir os acertados conselhos de meu pai e por isso tive prejuízos para minha saúde e em conseqüência para aqueles que estiveram perto de mim. Saiba como venci esta dependência, uma luta considerada como a maior vitória de minha vida!

Hoje relato a experiência no sentido de que alguém possa também vencer essa droga mais rapidamente. Ou se ainda não experimentou a droga nunca o faça! Considero muito importante esta luta porque somente quem esteve em minha situação é quem pode relatar as dificuldades que o problema apresenta.

Aos 14 anos, quando estudava no Colégio Marista de Fortaleza, experimentei um cigarro “importado”, levado por um colega... Novidade, naquele tempo, tanto que aguçou minha curiosidade de adolescente. Lembro que da primeira vez tossi bastante e senti um gosto muito ruim na boca. Mas no dia a dia esse meu “amigo”, que levava os cigarros escondidos, me oferecia novamente. E assim comecei a acostumar com a inalação da fumaça. Mal sabia que estava adentrando em um caminho perigoso ao usar esta droga – o cigarro. E começando a destruir meu próprio corpo.

Efetivamente comecei a fumar aos quinze anos, por minha conta e risco, como se diz. Fui descoberto fumando, por meu pai, que me advertiu de maneira bem sensata sobre os malefícios que o cigarro poderia me trazer. Mas eu, de forma impulsiva, respondi que estava pronto a arriscar! E ele disse que “por falta de aviso não foi”...

O tempo passava e eu ficava cada vez mais viciado. O número de cigarros por dia aumentava gradativamente. E as advertências de meu pai também. Eu ficava irritado, na realidade porque tinha lido bastante sobre os males e os perigos do tabagismo e como estava viciado (embora não reconhecesse o fato) não gostava que os outros falassem. Eu pensava o que todo mundo que fuma diz: não sou viciado, eu posso parar quando quiser... Mas não é bem assim que acontece. Alguns sequer conseguem após tentar uma vida toda e acabam perdendo suas vidas, com seus pulmões estraçalhados por um enfisema ou um câncer básico... Infelizmente.

O aumento gradual do vício

Dos 16 anos em diante já fumava duas carteiras por dia! Jogando nicotina e um bocado de substâncias cancerígenas em um local do corpo humano que a natureza construiu para funcionar como um filtro! É como se você jogasse areia em um tanque de combustível de seu carro, mais ou menos isso. Com a diferença que em um veículo você pode trocar os filtros, o tanque, porque são meramente peças. E no corpo humano não. Você apenas vai destruindo, estragando, sem sentir o mal que poderá vir pela frente.

No dia em que completei meus 18 anos decidi “largar de fumar”. Uma vez que eu pensava que iria ser fácil... Pois bem: dois dias depois voltei. Fiquei pensativo, frustrado, mas achei que conseguiria logo meu intento. Marquei nova data para o final do cigarro. E novamente aconteceu a mesma coisa. Ora, eu realmente estava viciado. Na época eu já começava a sentir os malefícios do cigarro para as vias aéreas. Gastava muito dinheiro com o cigarro e também com remédios (pastilhas, xaropes) para melhorar. Ou seja, eu pagava para usar o veneno e pagava pelo remédio! Burrice ao quadrado!

Passaram-se 14 anos, nos quais inúmeras tentativas foram feitas e todas em vão. Até que cheguei ao ponto de pensar que não tinha mais força de vontade e me sentia por muitas vezes depressivo por isto. Mas continuava fumando!

Por onde andava eu fumava e impregnava os ambientes, mesmo sem ter consciência exata daquilo. Impressionante: as pessoas que fumam não sentem o mau cheiro do cigarro! E também não sabem que incomodam bastante os outros. Ou pelos menos sabem, mas disfarçam isso por não terem coragem de admitir o fato.

Foi preciso um exemplo de um chefe que eu tive em Fortaleza, que largou de vez o cigarro depois de ter fumado por 50 anos! E eu pensava: puxa, se esse cara que é bem mais velho do que eu conseguiu eu tenho que conseguir também.

E após incontáveis tentativas de largar o maldito vício (uma delas que durou quatro meses) e mesmo assim voltei, decidi a fazer o que seria a “última” tentativa de largar o cigarro. Foi diferente. Propus para mim mesmo que eu não iria parar de fumar e apenas “suspender” o vício até quando agüentasse. Tinha visto também, ao vivo, exeplos de pulmões de um fumante e de um não fumante... Passaram-se três meses nos quais todo o nervosismo tomava conta de mim. Ansiedade, mau humor e muitas coisas até “perderam o significado para mim”. Verdade? Como assim?
 
Se eu ia à praia ficava fumando, aos estádios de futebol também, tocando festas com meu conjunto musical da mesma forma, nos programas de televisão que participava fumava muito... Em casa nem se fala, fumava em todos os locais e deveria ser péssimo para minha família.

Desse modo fiquei praticamente sem sair de casa por três meses, a não ser para trabalhar, até que comecei pouco a pouco a vencer umas batalhas importantes. Foram uns desejos compulsivos para fumar que ocorreram várias vezes. E por muito pouco eu teria perdido, mas consegui me manter longe da droga. E assim o tempo passou e venci a guerra contra o cigarro. A maior luta de minha vida!

Faz 30 anos que eu parei de fumar. Fiz uns cálculos do que gastei em dinheiro com o cigarro e com o que economizei neste período, sem contar os benefícios para a saúde, que são os mais importantes.

Os cálculos com dinheiro jogado fora com o cigarro

As contas são estas: 14 anos, multiplicados por 365 dias, são: 5.110 dias. Como eu fumava duas carteiras por dia teria comprado 10.220 carteiras de cigarro, gastando aproximadamente R$ 61.320,00 (reais), admitindo um preço médio de R$ 6,00 reais por carteira. E consumi mais ou menos 204.400 cigarros! Como sobrevivi? Só Deus sabe.

Quanto economizei em dinheiro depois que larguei a droga pesada do cigarro

Em 30 anos (período que estou sem fumar) deixei de comprar: 30 anos x 365 dias: 10.950 dias. Multiplicados por 2 carteiras por dia (em média): R$ 131.400,00 reais!

As drogas lícitas e as ilícitas

Hoje em dia existem muitas drogas circulando na sociedade. Umas lícitas e outras ilícitas. De forma hipócrita a sociedade ainda recebe a aceita o cigarro, mas os órgãos da área de saúde começaram, ainda que de forma tímida, a avisar sobre os prejuízos e malefícios que o vício do cigarro pode ocasionar. Outra droga lícita é o álcool, que já vitimou milhões de pessoas, quer as atacando fisicamente e danificando seus órgãos, como através de mortes no trânsito (dirigir alcoolizado), assassinatos sobre o efeito do álcool e por aí temos exemplos aos milhares.

Em que minha vida melhorou

Graças a meu esforço consegui sair dessa e melhorar MUITO minha qualidade de vida e a de meus familiares e pessoas a meu redor. Melhorei meu condicionamento físico e mental (isso, mental também, porque o cigarro destrói área do cérebro e determinados registros de nossa memória, fato comprovado cientificamente).  

Lembro que um filho meu me disse, na inocência de seus 5 ou 6 anos: “papai, que bom que agora não tem mais aquele mau cheiro aqui em casa”... Isto me tocou muito tendo em vista que ele, pelo respeito que sempre teve comigo, nunca tinha comentado nada e naquele momento deixou escapar o que percebia. Falou por um anjo e me deu mais forças ainda.

Ao final digo que escrevi este texto e não consigo mesmo acreditar que eu possa ter caído em uma armadilha tão traiçoeira! Como fui vítima de uma arapuca que poderia ter destruído minha vida muito cedo. Devo ter ficado com alguns resquícios, certamente, e será o preço que terei que pagar pelo meu envolvimento com o cigarro.

Nada é de graça nesta vida!  


Veja também nas redes sociais:


Nenhum comentário:

Postar um comentário