terça-feira, 17 de dezembro de 2013

A força do diálogo nos relacionamentos - você vai ler isso?


Você vai ler isto?

A amizade sempre foi uma base para os relacionamentos sólidos, nisto eu acredito. Nascida de uma simpatia ou não, pode ser ampliada, mantida e preservada, como uma construção física de uma edificação. Há tempos que percebo isso. Algumas pessoas relutam em aceitar a ideia de um bom diálogo sempre que houver necessidade. Talvez por desconhecimento ou falta de prática na arte de dialogar. Então é preciso que alguns princípios sejam aprendidos, estudados com afinco, para aqueles que desejam prosperar no cultivo das amizades. Não sou psicólogo nem perito no assunto, mas acredito que o conceito geral explicitado neste texto é válido. Vejamos...  

O que significa Diálogo?

Depois que comecei a escrever procurei o significado exato do termo Diálogo na internet e encontrei que, como origem, é uma palavra com derivação latina proveniente de um conceito grego. Muito bem. Uma conversa entre duas ou mais pessoas que manifestam as suas ideias, seus posicionamentos de forma alternativa. Ou seja, uma discussão entre pessoas com vistas à chegada de um entendimento.

O diálogo, em meu modesto entendimento, pode ser tanto uma conversa amável como também pode ser uma violenta discussão. Porém, costuma-se falar do diálogo como sendo uma troca de ideias onde se aceitam os pensamentos do interlocutor e os participantes estão dispostos a mudar os seus próprios pontos de vista, de acordo com o andamento e entendimentos das ideias. Em um diálogo os participantes tem naturalmente que expor suas ideias e, principalmente, saber ouvir, analisar as opiniões e conceitos dos outros envolvidos.

Em temas contraditórios há dificuldades de diálogo: por exemplo, falar sobre religião, política ou futebol é um prato cheio para a discórdia e quando não se trata com pessoas equilibradas a ponto de saber emitir opiniões, mas também ouvir as ideias dos outros sem agredir as pessoas, tudo bem. Mas na maioria dos casos não se conhece todo mundo a nosso redor e muitas pessoas são um tanto quanto radicais. Aí é que está o problema!

Agora quando o assunto é diretamente ligado ao bem-estar de um relacionamento entre um casal ou de uma empresa, em que todos torcem pelo sucesso do empreendimento, o diálogo sempre deve existir e ser aprimorado!  

A abertura da mente – vencer ou convencer?

E condição para o sucesso em um diálogo que as mentes estejam predispostas para que essa situação ocorra. Ter em mente que não basta “vencer” seu interlocutor com uma enxurrada de argumentos, conceitos e ideias. É preciso, sim, “convencer” o outro lado através de suas colocações. Se isso não for conseguido nada feito. Assim o diálogo existiu mas não obteve o êxito esperado entre as partes. A “negociação” não foi frutífera, não deu certo. E o desentendimento poderá prosseguir mais adiante.  

É comum ouvir dizer que as pessoas sedentas de poder e as autoritárias tendem a excluir o diálogo por pretenderem que a sua verdade seja a única válida e desacreditarem as opiniões dos oponentes, com o intuito de fortalecerem o seu domínio. O diálogo verdadeiro procura a verdade e fomenta o conhecimento sem preconceitos, o que já não acontece com o discurso que tenta persuadir e convencer ao manipular a opinião.

A falta do diálogo

O que digo agora talvez seja o mais importante: penso que quando existe a falta do diálogo em diferentes situações (em casa, no trabalho, com colegas e amigos) pode ocorrer quebra gradativa da amizade, com os conseqüentes prejuízos para as relações.

No caso de um casal (marido e mulher), por exemplo, o diálogo deve preferencialmente, fluir sempre tendo por base que ambos desejam o bem o bem-estar mútuo, um consenso que seja fortalecedor da Amizade.

A falta desta mentalidade pode acarretar um prejuízo muito grande em uma relação, pois a cada tentativa frustrada de diálogo ou mesmo em cada oportunidade em que ele não foi iniciado cria-se uma barreira gradativa, que cresce no dia a dia e certamente fechara os pontos de contato entre os pares. Desse modo se formará uma “parede de isolamento” de modo que ninguém conseguirá mais se comunicar de forma efetiva. Mas você, com um diálogo aberto, desde que haja preparo e vontade de ambas as partes para que haja sucesso, poderá quebrar facilmente esta barreira.

Um exercício físico e um exercício mental

Assim como os exercícios físicos ajudam o nosso corpo a desenvolver os músculos, alongá-los, fortalecê-los etc. os exercícios mentais podem influenciar definitiva e positivamente nos diálogos. Uma meditação, um preparo para as oportunidades em que os diálogos sejam necessários, a forma de receber e ouvir opiniões de seu interlocutor e também de como se manifestar. Tudo isto é muito importante.

A amizade e o respeito

O valor de um gesto, um aceno, um cumprimento pode ser muito importante em nossas vidas. O ser humano possui um “ego” que gosta de ser massageado, ou não? Quem não gosta de receber um elogio ou comentário positivo? Acredito que todo mundo que é normal goste disso. Desse modo quando se age com o próximo positivamente, conseguimos emitir uma prova de amizade, de lealdade, de companheirismo e estamos reforçando os elos que formam uma amizade verdadeira ou uma relação sólida.

As discórdias são naturais entre os seres humanos, mesmo porque existem as diferenças e estas devem ser respeitadas. Mas a regra principal, que nos lembramos em alguns casos é: o direito de um acaba onde inicia o direito do outro. Esta é uma das chaves para que haja sucesso nos relacionamentos interpessoais.

Transcrevi um artigo escrito por uma enfermeira, Bronnie Ware, no qual ela fala nos principais arrependimentos das pessoas que ela cuidara, nos seus leitos de morte. Um deles é a respeito da necessidade de expressar os seus sentimentos:

“Muitas pessoas suprimiram seus sentimentos a fim de manter a paz com os outros. Como resultado, eles se estabeleceram por uma existência medíocre e nunca se tornaram quem eram realmente capazes de se tornar. Muitos desenvolveram doenças relacionadas à amargura e ressentimento que carregavam como resultado disso. Nós não podemos controlar as reações dos outros. No entanto, embora as pessoas possam, inicialmente, reagir quando você mudar a maneira que você está falando com honestidade, no final isso erguerá a relação a um nível totalmente novo e saudável. Ou isso ou ele libera o relacionamento doentio de sua vida. De qualquer maneira, você ganha”.

Nesta época de final de ano há muita agitação, propaganda que leva ao consumismo: presentes que são comprados, algumas vezes apenas para cumprir as obrigações sociais. Tudo bem. Não queremos de jeito algum mudar o mundo, apenas externar um conceito de que os sentimentos que temos em determinadas datas marcantes podem ser utilizados para o aprimoramento de uma amizade! E isso não é somente no final do ano: tem que ser diariamente, o ano inteiro, dia após dia!

Caso tenha chegado até aqui e concordado com os conceitos emitidos, compartilhe o texto com seus amigos. 

Um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo!

Tenha um excelente Natal, com muita saúde e harmonia em seus lares e um 2014 repleto de realizações, são nossos sinceros votos.




(*) Músico (guitarrista-solo), ex-integrante do Conjunto Musical Big Brasa do qual foi um dos fundadores, Analista de Informações do governo federal, cargo hoje denominado como Oficial de Inteligência, com serviços prestados na Área de Inteligência para o Ministério do Trabalho e para a Presidência da República, com experiência na área de segurança. Hoje, aposentado da Atividade de Inteligência, é Diretor do Instituto Portal Messejana e mantém o Blog do João Ribeiro, onde escreve suas impressões a respeito de variados temas, inclusive relacionados aos diversos campos de expressão do Poder Nacional.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário