quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Como tornar-se uma autêntica toupeira!

Blog do João Ribeiro adverte: 
NÃO siga as dicas e conselhos abaixo, sob pena de você conseguir
 tornar-se uma autêntica toupeira! 

 
Escrevi este texto baseado em um dos chefes que tive em minha carreira, há muito tempo, o qual pensava ser o dono da razão, sempre! E por isso não deixava seus subordinados opinarem no sentido de melhorar qualquer rotina de trabalho. Com aquele procedimento impedia que as ideias surgissem, inibia a criatividade de seus colegas de trabalho e consequentemente tornou-se um exemplo negativo de chefia...

Os acontecimentos geraram o texto abaixo, que serviu simplesmente de desabafo pessoal na época que os fatos ocorreram. Nunca procedi como o relato abaixo sugere. Muito ao contrário sempre gostei de analisar, estudar as rotinas, as normas, as tarefas e sempre que possível opinar no sentido de enriquecê-las. Portanto, leve tudo como brincadeira, mas produzida por fatos e acontecimentos reais comigo ocorridos. 

Você terá a seguir alguns entendimentos teóricos e exemplos que poderão ser aplicados no dia no sentido de torná-lo insensível à criatividade, frio, desprovido de emoções e de sentimentos, desinteressado, apático, mas, no entanto, um fiel seguidor das idéias que lhe são expostas, sem que para isso seja preciso “gastar” um pouco sequer de seu raciocínio.

Afinal, para que recebemos ou nascemos com um cérebro para pensar? Puro desperdício de energia craniana não acha? Vejam como é bastante simples.

Siga os ensinamentos à risca, sem pensar! Agindo assim, você praticamente iniciou o treinamento... Para tornar-se uma toupeira!

·     Nunca se esforce para fazer aquilo que não lhe é cobrado;
·     Sob hipótese nenhuma descubra uma falha no serviço. Se isso eventualmente acontecer não se desespere: o importante mesmo é você não procurar saber como corrigi-la, porque você estará, dessa forma ,pensando. Deixe que outros o façam;
·     Desconsidere qualquer possibilidade de erro nas instruções vindas de seus superiores hierárquicos. Acostume – se , portanto, que você não é mesmo capaz de contribuir para melhora de nada, devendo, por essa razão, recolher- se a sua insignificância;
·     Seja subserviente. Acate sempre todas as ordens, missões, regulamentos, conceitos – enfim tudo – sem discutir! Sem esta prática você dificilmente conseguirá a nulidade tanto almejada.
·     Se você em determinado mo mento, tiver um pensamento positiva sobre qualquer assunto, particularmente sobre matérias que envolvem a “agilidade” mental, o raciocínio, tire-o da cabeça imediatamente pois você esta redondamente enganado. Neste caso, você estará sendo iludido por sua própria, fraca e deteriorada mente. Abandone tal idéia, pois ela virtualmente se tornaria um redundante fracasso, se implementada!
·     Nos momento de reflexão (?), ou seja, naquelas poucas e raríssimas oportunidades em que o seu cérebro tenta atuar, volte-se para as atividades de seu intelecto meramente banais, quais sejam, as de tentar copiar as brilhantes idéias dos outros, imitado sempre o próximo, anulando assim toda e qualquer ação própria de sua inteligência, visto que, como é sabido, você não recebeu dons para isto;
·     Lembre-se mais uma vez de que você tem que se habituar cm sua natural incapacidade e variedades limitações;
·     Fuja com tenacidade de qualquer tentação que possa levá-lo ao progresso e a qualquer tipo de esforço.
·     Deixe tudo “correr frouxo”, não dê opiniões que possam contribuir para o enriquecimento de seu serviço

Concluindo, se você tiver ou chegar a ter um Chefe com estas características, ele sempre terá razão porque seguirá aquele velho ditado: “manda quem pode e obedece quem tem juízo”. Há, na realidade, momentos que devemos ponderar algumas atitudes, desde que não prejudiquem o nosso íntimo. Algumas ordens, entretanto, quando chegarem a um ponto tal que lhe faça lembrar este texto reflita e veja qual comportamento será melhor para você!

Continuar a progredir pessoalmente ou tornar-se simplesmente uma toupeira?   

Veja também nas redes sociais:
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário