quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Quem pode ou quem deveria responder por Messejana?

Minha dedicação há oito anos é para o Instituto Portal Messejana, que possui um site denominado Portal Messejana.

Há tempos que o Portal Messejana produz matérias relativas a Messejana, mostrando suas belezas e também seus problemas, que não são poucos. As reportagens todas são feitas com base na coleta e na busca de dados, de forma até mesmo investigativa, oportunidade em que as fontes são preservadas para sua segurança e pela ética do jornalismo.

Algumas pessoas não gostam das matérias porque dizem amar Messejana a qualquer custo. O Portal Messejana também gosta muito de Messejana e adota uma postura diferente, que é a de mostrar as duas deficiências, fazendo com que o povo se conscientize da verdade e cobre providências das autoridades. E produz suas reportagens também com base também nos inúmeros documentos que recebe de seus colaboradores e para a Seção Fala Cidadão, do Portal Messejana. Muitos dos documentos são publicados na íntegra e assinados pelos seus autores.

Cidadania é o termo que costumamos usar para essas ações do Portal Messejana. Alguns dos problemas levantados, ocasionalmente, são resolvidos. Muitos permanecem na mesma há anos, sem solução. É uma lástima.

O trabalho do Portal Messejana

O Portal Messejana, que foi reconhecido pelos governos federal e municipal como de utilidade pública, tem entre suas propostas ser exatamente um canal de comunicação entre o povo, a sociedade, e as autoridades competentes, gestores públicos e políticos ligados a Messejana, dando espaços plenos para a divulgação dos resultados eventualmente alcançados em suas seções Mural de Recados e Fala Cidadão. Trabalha ainda com projetos de Turismo Sustentável e Sociais, como construção de casas através de programas do governo federal, pela Caixa Econômica Federal.

Ao final desta matéria estão algumas indagações, cujas respostas poderiam ser evidenciadas através de efetivas ações por parte de gestores, órgãos responsáveis, políticos ligados a Messejana e Associações de Moradores locais.

Repercussão na imprensa local

A maioria das matérias feitas pelo Portal Messejana ou oriundas de nossos colaboradores repercute muito, principalmente aquelas que falam dos problemas, das necessidades básicas da Grande Messejana. Chamam atenção no site e também nas redes sociais das quais o Instituto Portal Messejana marca presença.

Logo depois de uma reportagem mais gritante, normalmente porque chamam atenção pelos problemas levantados e mostrados, surgem algumas indagações, partindo de pessoas ligadas à própria imprensa, que ligam para o Portal Messejana perguntando se o Instituto poderia indicar uma pessoa para dar depoimento, gravar entrevistas para o programa “a”, ou “b”... E não é bem assim. Não é esse o papel do Instituto Portal Messejana, o de indicar entrevistados.

Quem lê nossas reportagens, localizadas no Menu Messejana (lado esquerdo da página principal do site), facilmente pode comprová-las visitando o local, perguntando a transeuntes, moradores, vizinhança dos locais etc.Fácil e simples assim.

Os e-mails e as comunicações pelo Mural de Recados e Seção Fala Cidadão

O Portal Messejana também recebe muitos e-mails de internautas cadastrados no site, que elogiam, dão sugestões, reivindicam serviços, melhorias, enfim, utilizam o Portal Messejana como canal de desabafo para suas ansiedades e necessidades. E uma síntese desses e-mails tem sido enviada para a Secretaria Regional VI ao longo dos oito anos de existência do Portal Messejana, sendo que nenhum dos comunicados foi respondido, infelizmente.

Recentemente o Portal Messejana recebeu uma solicitação de que “renovasse” as fotos dos locais (praças e principais pontos), para que Messejana aparecesse melhor. Tal solicitação não foi ainda atendida, porque simplesmente a equipe do Portal Messejana comparou as fotos existentes há mais de três anos e constatou que a situação agora está pior, ou seja, as imagens ficariam piores... Infelizmente é uma verdade que tem que ser dita.

Por exemplo, algumas perguntas básicas que deveriam receber respostas, ou melhor, poderiam ter soluções efetivas:

  • Quem pode falar sobre a violência e a insegurança em Messejana?
  • Quem pode falar sobre o saneamento básico (ou melhor, a falta dele) em Messejana?
  • Quem pode falar sobre a falta de água encanada em vários locais, como a Paupina e outros?
  • Quem pode falar sobre as enormes filas em todos os postos de saúde e hospitais?
  • Quem pode falar sobre o transporte público, que é muito deficiente na área?
  • Quem pode falar sobre o lixo espalhado em terrenos baldios em toda a área?
  • Quem pode falar sobre a falta d’água ou pouca pressão de água em muitos locais?
  • Quem pode falar sobre o trânsito caótico que existe em Messejana?
  • Quem pode falar sobre a ocupação indevida de calçadas por vendedores e ambulantes, de forma desordenada, particularmente na área central de Messejana?
  • Quem pode falar sobre o estado da Lagoa de Messejana, que recebe diariamente esgotos de um canal?
  • Quem pode falar sobre a insegurança simplesmente ao andar pelas ruas de Messejana, em razão dos constantes assaltos?
  • Quem pode falar sobre o pouco policiamento em toda a área?
  • Quem pode falar sobre a existência de casa de prostituição, camufladas de “bares”, em áreas residenciais e centrais de Messejana?
  • Quem pode falar sobre o funcionamento de bares sem os “Alvarás”, da Prefeitura?
  • Quem pode falar sobre a construção de prédios de até três andares, sem autorizações (CREA) e licença exigida pela lei?
  • Quem pode falar sobre o estado de conservação das praças públicas e das calçadas de Messejana?
  • Quem pode falar sobre as pichações e poluição visual em muros (em toda a Messejana)?
  • Quem pode falar sobre o uso de paredões de som (mesmo proibidos) pelas ruas de Messejana?

Ora, estes problemas são notórios e podem ser constatados facilmente através de contatos com qualquer morador, de qualquer área de Messejana! Os aspectos visuais podem ser (obviamente) vistos por quem se interessar em observá-los.  


Veja também nas redes sociais:


Nenhum comentário:

Postar um comentário