quinta-feira, 17 de outubro de 2013

O Brasil não anda tão bem quanto alguns dizem. Se não vejamos...

Democracia ou Anarquia?


Alguns aspectos extremamente desagradáveis que ocorrem pelo país todo que nos tiram gradativamente a esperança de melhoras para o Brasil. Gostaria que, pelo menos, as pessoas mais esclarecidas tomassem conhecimento do assunto, avaliassem o conteúdo e o disseminassem para o seu próprio bem, bem de seus familiares e da própria Nação. Estaríamos sendo dominados até pelo crime organizado? Começo a achar que sim.

O governo está impotente para minimizar a situação.

A política partidária

A classe política agora demonstrou claramente que não deseja o fortalecimento de partidos e sim a criação de mais e mais agremiações, para auferir os lucros financeiros dessas artimanhas. Não se sabe quem é quem, quantos partidos existem, qual a proposta de cada um (porque são inúmeros)... E assim a população fica totalmente perdida. Ora, uma pessoa que acompanha os jornais diariamente não sabe dizer os nomes dos partidos políticos, quem mudou de partido, que partidos foram criados.

No Congresso Nacional afora circula um projeto que visa a criação de pelo menos 200 municípios a mais no país. Alegam os defensores da ideia que isso não acarretaria mais despesas para a União. Como assim? Não seriam criadas mais Câmaras de Vereadores, Prefeituras e todo um elenco de cargos para serem preenchidos?

Deveriam elaborar um projeto, sim, para diminuir pela metade o número dos parlamentares hoje existente e acabar com a mordomia parlamentar em todos os sentidos. Em países mais evoluídos não existe essa moleza aqui do Brasil e uma pouca vergonha de muitos políticos que nem mesmo sabem o que se passa no país porque faltam demais ao trabalho.

A violência e a necessidade de mudança no Estatuto do Adolescente
 
Não é possível que os políticos no Brasil não percebam claramente o quão é necessário mudar o Estatuto do Menor e do Adolescente. Assistimos todos os dias pela televisão, lamentavelmente, uma crescente violência praticada em sua grande parte por menores, que se valendo da condição de “Adolescente” matam, atacam, assaltam e praticam toda a sorte de delitos indiscriminadamente. E a polícia sofre com isso porque trabalha muito para identificá-los e quando são presos imediatamente são postos em liberdade ou mandados cumprir “medidas sócio-educativas”. Isso após ter matado alguém, roubado um banco ou praticado um crime grave. Passam pouquíssimo tempo reclusos (quando passam) e voltam para as ruas aos 18 anos (bem mais preparados para a criminalidade) e com a ficha totalmente limpa. Os crimes são tantos e de toda ordem que seria enfadonho citá-los aqui. Pode isso? Por que os políticos não alteram logo a maioridade penal? E por que não mudam o código penal colocando penas mais severas para furtos seguidos de morte, os latrocínios? Eles estão cegos, surdos? Parece que sim.

O governo está impotente para minimizar a situação.

O Grupo Fortaleza Apavorada

Em virtude desta grave situação foi criado um grupo, denominado Fortaleza Apavorada, que traduz o desespero de muitos com a violência, tendo em vista que hoje em dia ao abasteceu em um posto de gasolina, ao entrar em uma farmácia, em pleno trânsito (de carro ou de motocicleta) ou mesmo a pé, ao fazer caminhadas pelas redondezas de seu bairro são atividades de alto risco. E a atenção deve ser redobrada. A polícia está com dificuldades para agir por causa das leis, que protegem tudo que é menor delinquente e os incentivam nas práticas delituosas. 

O governo está impotente para minimizar a situação.

Os assaltos a bancos no interior do Estado

É uma vergonha para quem assiste a uma situação que ocorre no interior do Ceará e em muitos outros Estados do Nordeste. Quadrilhas chegam facilmente pelas madrugadas, algumas vezes até rendem os policiais, tomam suas armas e partem para os roubos e explosões nos bancos.

Isto significa falta de adequada estrutura policial no interior, falta de inteligência na polícia, nos órgãos fiscalizadores do trânsito (a maioria das blitz, se é que você observa, ocorre nos horários em que praticamente não há riscos. Parece até mesmo que elas de “desviam” do perigo. Por que não ocorrem nas madrugadas? Nas saídas de festas (onde pegariam um sem número de pessoas alcoolizadas)? Faltam também sensibilidade e um plano de ação para tais ações. O governo está impotente para minimizar a situação.

O governo está impotente para minimizar a situação.

O desarmamento da população no Brasil
 
O governo desencadeou uma campanha de desarmamento que a meu ver deixou a população à mercê dos bandidos. Porque policiamento existe pouco e não pode proteger a todos. E os criminosos agora têm a “certeza” de que suas vítimas serão presas fáceis, porque sempre estarão desarmadas. Esta condição tem que ser modificada. Não é a proibição de se comprar armamento para defesa pessoal que vai aumentar o crime. Haja vista o que acontece com as armas contrabandeadas de outros países que fortalecem os arsenais do crime organizado. Pensem bem: um cidadão de bem não mata, não assalta! E se o fizer, em um país que cumpre suas próprias leis, será punido!

Enquanto isso no Paraguai...

Estive recentemente no Paraguai, Cidade Del Leste e me deparando com multidões de ambulantes e vendedores de toda sorte pela ruas da cidade, em muitos dias não presenciei nenhuma cena ou notícia de furto ou roubo. Curioso, perguntei a um dos centenas de vigilante armados, na frente de muitos estabelecimentos, porque era tão tranquilo. E um deles, por sinal brasileiro, me perguntou: você está vendo todos esses carros aí, todas essas lojas? E apontou para as ruas centrais. Ao responder que sim ele continuou: “pois bem, todo mundo aí anda armado”... Desta forma um assaltante fica “inibido” de entrar em uma loja e furtar um celular ou assaltar um carro qualquer, porque todos os outros em sua proximidade poderão acertá-lo. 

O vandalismo nas ruas do país – uma anarquia

Por ocasião das manifestações legítimas da população ocorridas a partir de junho de 2013 em todo o Brasil começaram a se apresenta os aproveitadores, na maioria das vezes encapuzados, que dilapidam o patrimônio público e privado, incendeiam ônibus, carros de polícia, de reportagem e seguem em frente quebrando tudo e desafiando cara a cara os policiais. Nada temem porque se presos, logo são liberados, por falha, mais uma vez, da legislação. Em meu entendimento, um governo sério não poderia permitir pessoas encapuzadas pelas ruas quebrando bancos, atacando pessoas, tocando fogo em prédios, viaturas policiais, veículos particulares e atacando a polícia. Uma lei deveria impedir manifestações com pessoas encapuzadas, sem a menor identificação.

O governo está impotente para minimizar a situação.

Invasões de terras
 
Vê-se também em toda parte invasão de terras, na maioria das vezes com grande violência e destruição do patrimônio de fazendas, de lavouras, de equipamentos agrícolas etc. E de igual forma ocupação de prédios públicos por parte de qualquer associação, grupo... E o governo fica impassivo, deixa tudo acontecer. E as polícias militares são orientadas para ter muito cuidado para não agir com violência. Ora, querem combater violência de que maneira?

O governo está impotente para minimizar a situação.

O assunto merece uma interrogação: por que os responsáveis pelas gestões dos Estados mais atingidos e a própria Presidência da República não se manifesta no sentido de informar à população, que está aflita, amedrontada, sobre eventuais medidas a respeito do problema?


Veja também nas redes sociais:




Nenhum comentário:

Postar um comentário