quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

2015 – um ano que praticamente o Brasil parou!

2015 – um ano que praticamente o Brasil parou. Lamentavelmente esta é uma verdade incontestável. E a conturbada cena nacional deverá ter reflexos graves para os anos futuros. Não há perspectivas de melhoras em curto prazo. A população inteira está desacreditada e parece que perdeu a força de mobilização e a própria fé. Há muito que se comentar sobre o assunto tendo em vista a importância do tema. Vejamos apenas alguns aspectos:

SEGURANÇA

Em se tratando de criminalidade o país teve os índices aumentados. A sensação de insegurança é uma constante em quase todos os locais do País. Fortaleza e o Estado do Ceará encontram-se nos primeiros lugares, infelizmente. Os criminosos cada vez mais bem armados e a população mais indefesa, com o direito limitado pelo Estatuto do Desarmamento de adquirir armas de defesa para suas residências. Assim, com as deficiências de policiamento os crimes se alastram. Dezenas de explosões a caixas de bancos no interior do Estado, furtos e roubos de veículos, arrombamento a residências nas cidades e outros ilícitos, sem falar no aumento do tráfico de drogas em todo o País.

Assim, não se pode andar com tranquilidade em lugar algum. As residências estão se transformando em verdadeiras fortalezas, prisões domiciliares, uma vez que o cidadão se encontra sob constante ameaça por parte da marginalidade, quer no trânsito, de carro ou a pé, quer em sua casa. Há sem dúvida uma falência de um sistema que deveria fornecer a segurança para a sociedade.

SAÚDE

Falta de remédios nos postos e hospitais do Sistema Único de Saúde, deficiências na quantidade de leitos, dificuldades para a marcação de exames e de cirurgias para a população, longas filas e muito sofrimento para quem necessita dos atendimentos nas unidades hospitalares e postos de saúde. Quantidade de médicos insuficiente para a demanda. Idem quanto ao número de entidades hospitalares em todo o Brasil. Os problemas são agravados com o aumento de acidentes de trânsito, em geral, e com a infeliz descoberta de que mais vírus estão atacando a população brasileira, além do Dengue, agora o Zika vírus, que trouxe mais de 1700 casos detectados de microcefalia em todo o País e a tal de chikungunya, que também assola o Brasil.

EDUCAÇÃO NO BRASIL

Se você chegou até aqui, é um sinal que sabe ler. Se você leu o texto e está entendendo completamente o que está nele escrito já não se encaixa mais na categoria de analfabeto funcional – aquele que consegue ler as palavras, mas não compreende o sentido da frase. Sinta-se privilegiado, pois 38% dos acadêmicos do país são considerados analfabetos funcionais. Entre os alunos do último ano do Ensino Médio da rede pública, 78,5% não apresentaram proficiência mínima em leitura. Já na prova de Matemática, 95% apresentaram não demonstrar domínio sobre conhecimentos básicos esperados para sua idade. São números alarmantes. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico mantém um ranking da educação em 36 países, no qual o Brasil atualmente está na penúltima posição, à frente somente do México.

IRREGULARIDADE CLIMÁTICA

Continua o Nordeste sofrendo os efeitos da seca e o Sul e Sudeste com enchentes. O problema é secular e as previsões para 2016 são sombrias até o momento. Há possibilidades de racionamento e de falta d’água que ocasionarão certamente em enormes dificuldades para as populações, particularmente as interioranas, com prejuízos para a lavoura e consequente morte de rebanhos. A seca deixa quase mil cidades nordestinas em situação de emergência. Para piorar a situação outros desastres naturais decorrentes da mudança e de fenômenos climáticos passaram a ocorrer no Brasil. As providências para minorar esse quadro aflitivo ainda não estão sendo definitivamente tomadas pelos nossos gestores.  

DESEMPREGO

O desemprego voltou a subir no trimestre no Brasil e chegou a quase 9 por cento. Muita gente está sendo forçada a trabalhar por conta própria. O percentual é o maior desde que pesquisa do IBGE começou a ser feita em 2012. Com desemprego, aumenta quantidade de trabalhadores autônomos.

Além do desemprego, aumentou também o número de trabalhadores autônomos, gente que teve que se virar no mercado. Em um ano, mais de 880 mil brasileiros passaram a trabalhar por conta própria em todo o país. São 22 milhões de pessoas sem patrão, sem carteira assinada e décimo-terceiro salário, dentre outros benefícios do emprego formal.

Todos os indicadores refletem o tamanho da crise. Se a pessoa não consegue o trabalho com o emprego formal, que é o melhor, procura alguma alternativa e a maioria corre para a informalidade. Empresários, órgãos oficiais e estudiosos do problema comprovam e reconhecem uma difícil situação.

ECONOMIA E CRISE FINANCEIRA

Entre os malefícios trazidos pela crise financeira em 2015, Fortaleza se apresenta com o terceiro maior índice de inflação do país no mês de novembro. No país a inflação oficial é maior de 10 por cento. Os maiores percentuais desde 2002. As empresas continuam demitindo muito mais do que admitindo, conforme os controles do Ministério do Trabalho. Há milhões de desempregados no país. As principais causas são os aumentos de impostos e outros encargos trabalhistas. E também quando a população compra menos, logicamente as empresas vem menos e como forma de enxugar custos demitem mais.

Em razão da crise financeira houve cortes nos investimentos e aumento de impostos, o que naturalmente veio a gerar mais inflação. E a sociedade se sentiu traída com um quadro econômico lamentável, que veio a ser descoberto apenas após uma campanha eleitoral que camuflou a situação o quanto pode. O Brasil vai para 2016 com um orçamento altamente deficitário e com mais descrédito por parte de avaliadores internacionais.

CRISE POLÍTICA

Desde o início do ano, com a reeleição da Presidente Dilma, o Congresso Nacional está praticamente sem produzir nada para o país, com sua atenção desviada para outros problemas de seu interesse (deles próprios, na maioria). Pouco se faz para resolver a situação, uma vez que os nossos políticos estão voltados desde o início do ano para uma política de toma lá, dá cá, interminável. Além de inúmeras comissões de parlamentares para apurar irregularidades, corrupção, mas que na verdade em nada resultam de concreto.

CORRUPÇÃO E CRISE ÉTICA

Com a Operação Lava-Jato deflagrada teve início o maior processo investigatório de ilícitos, de corrupção, envolvendo em especial transações com a Petrobras, a princípio, e com desmembramento futuros para empreiteiras, construtoras, doleiros, políticos corruptos. O volume das ilicitudes é tão alto e a quantidade de notícias tão grande que a população pouco entende do que realmente se passa no país. Mas essa mesma população sabe que a roubalheira foi grande e que felizmente o Ministério Público, a Polícia Federal e um juiz, considerado principal, o Sr. Sergio Moro, estão atentos aos problemas e dentro do possível vão avançar muito contra a criminalidade.


ESPERANÇAS PARA O ANO NOVO?

Diz-se comumente que a esperança é a última que morre. Porém, em curto e médio prazo fica difícil fazer um bom prognóstico para que o Brasil venha a funcionar de forma correta a persistir as atuais condicionantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário